09
abr
09

Literatura Informativa no Brasil.

 

LITERATURA DE INFORMAÇÃO

 

A Carta a EL-rei d.Manuel é o primeiro de uma serie de textos sobre o Brasil, é um real registro do nascimento do Brasil. Nela são contados os primeiros contatos entre portugueses e nativos, as primeiras povoações em terras brasileiras, que não fossem índios,mas sim europeus. São obras escritas nesta época, quase sempre sem intenções artísticas,o objetivo delas eram informar a sociedade européia como estava sendo o trabalho e vida nas colônias recém-descobertas. Eram de grande importância porque registravam as condições de vida e a mentalidade dos primeiros colonizadores e habitantes das novas terras. Por isso que  estes textos passaram a ser  chamados de Literatura informativa sobre o Brasil. Além disso houve também a literatura dos jesuítas, esta com um objetivo mais religioso.

 Os autores de destaque foram:

 Pero Vaz de caminha e Padre José de Anchieta.

 Muitos são as historias dos viajantes que compararam o Novo Mundo ao Paraíso. Américo Vespúcio, que esteve no Brasil em 1503, Cristóvão Colombo, que foi o descobridor da América, e outros navegantes que escreveram cartas aos papas relatando terem encontrado o “Paraíso terreal”.

 Diferentes dos europeus colonizadores, os índios que viviam naquela região não tinham as doenças graves dos brancos, e nem conheciam a noção do pecado, eles viviam livres em suas terras em um regime de igualdade, comunhão de bens e decisões comunitárias.

 A carta de pero Vaz de Caminha possui um grande valor histórico, mas um duvidoso valor literário já que sua carta teve o objetivo de informar a situação encontrada na nova terra.

 Os dois grandes interesses presentes na carta de Caminha são:

 - Interesse material (ouro e prata).

 - Interesse espiritual (catequese dos índios).

 - Descrição da flora, fauna e a geografia tanto dos nativos, como da própria terra.

 Agora tem-se alguns trechos da “carta a El-rei Dom Manuel”, por Pero Vaz de Caminha:

 “E neste dia, a hora de véspera, houvemos vista de terra, isto é, primeiramente d’um grande monte, mui alto e redondo, e d’outras serras mais baixas a sul dele e de terra chã com grandes arvoredos, ao qual monte alto o capitão pôs nome o Monte Pascoal e a terra a terra de Vera Cruz.

 E dali houvemos vista d’homens, que andavam pela praia, de 7 ou 8, segundos os navios pequenos disseram, por chegarem primeiro.(…) A feição deles é serem pardos, maneira d’avermelhados, de bons rostos e narizes, bem feitos. Andam nus, sem nenhuma cobertura, nem estimam nenhuma cousa cobrir nem mostrar suas vergonhas. E estão acerca disso com tanta inocência como tem em mostrar o rosto.

 O capitão, quando eles vieram, estavam assentado em uma cadeira e uma alcatifa aos pés por estrado, e bem vestidos, com um colar d’ouro mui grande ao pescoço. (…)Um deles, porém, pôs olho no colar do capitão e começou d’acenar com a mão para a terra e depois para o colar, como que nos dizia que havia em terra ouro. E também viu um castiçal de prata e assim mesmo acenava para a terra e então para o castiçal, como que havia também prata.

 E uma daquelas moças era toda tinta, de fundo a cima, daquela tintura, a qual, certo, era tão bem feita e tão redonda a sua vergonha, que ela não tinha, tão graciosa, que a muitas mulheres de nossa terra, vendo-lhes tais, feições, fizera vergonha, por não terem a sua como ela.

 Nela até agora não pudemos saber que haja ouro, nem prata, nem nenhuma cousa de metal, nem de ferro; nem olho vimos. A terra, porém, em si, é de muito bons ares, assim frios e temperados como os d’Antre Doiro e Minho, porque neste tempo d’agora assim os achávamos como os de lá. Águas são muitas, infindas. E em tal maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo por bem das águas que tem. Mas o melhor fruto que nela se pode fazer me parece que será salvar esta gente. E esta deve ser a principal semente que Vossa Alteza em ela deve lançar.”

 A literatura Quinhentista foi uma continuação da literatura portuguesa.

 

A literatura dos viajantes está baseada nas cartas, crônicas, relatório, documentos, enviados pelos padres, colonos, viajantes e aventureiros que falaram da flora, da fauna, da geografia e dos usos e costumes dos índios.

 Os colonizadores portugueses esperavam encontrar no Brasil as mesmas condições que os tornaram ricos com a exploração das índias. Os europeus ainda tinham em mente o mito do “Eldorado, a cidade de ouro”, uma região de incríveis riquezas, onde haveria pouco trabalho braçal e muito lucro. Este tipo de pensamento fez com que o colonizador português não se apegasse a terra e com isso o tratamento dado a ela foi de maneira agressiva, com o único objetivo de tirar toda a riqueza dela, sem medir as conseqüências. O pensamento do colonizador era somente um: enriquecer logo para poder voltar para Portugal rico.

 A princípio no Brasil a fonte de renda para os colonizadores era o pau-brasil, embora tivesse um importante valor no mercado de negócios, não chegava a se igualar aos preciosos recursos do Oriente. Somente em 1532, aproveitando-se do preço compensador do açúcar, os portugueses iniciaram o cultivo do açúcar em terras brasileiras, auxiliados pelo trabalho escravo. No entanto, a Carta e os outros textos produzidos no início da colonização queriam apenas enaltecer exageradamente a terra e a fertilidade do solo, sem na verdade ter uma real analise da situação. Esse tipo de pensamento em relação ao Brasil sempre contribuiu para certos para equívocos prejudiciais que atrasaram o  desenvolvimento da região. No Brasil ou em qualquer outro lugar, sempre será necessário muito trabalho, esforço e planejamento, só assim “dar-se-á nela tudo, por bem das águas que tem”, como escreveu Pero Vaz de Caminha em sua carta a D.Manuel.

 Além da Carta, os seguintes textos informativos foram de destaque:

 Tratado da terra do Brasil (1570?) e Historia da Província de Santa Cruz a que vulgarmente foi chamada de Brasil (1576), de Pero Magalhães Gandavo;

 

Tratado descritivo do Brasil (1587), de Gabriel Soares de Sousa;

 Diálogos das grandezas do Brasil, escrito em 1618 por Fernandes Brandão.

 

São encontrados nas obras da literatura informativa, muito elementos que mais tarde vieram a servir para dar uma base para compor o indianismo de Gonçalves Dias, José de Alencar, Gonçalves de Magalhães e outros escritores do romantismo.

 

LITERATURA DOS JESUÍTAS

 A carta que o padre Manuel da Nóbrega escreveu, descrevendo a chegada da primeira missão jesuítica no Brasil, por ele chefiada, em 1549, inaugurou a literatura informativa dos jesuítas no Brasil, já que eles contribuíram em muito nesta parte da literatura.

 O maior representante deste tipo de literatura entre os jesuítas foi o padre José de Anchieta.

 José de Anchieta (1534-1597) nascido numa das ilhas Canárias e chegou ao Brasil em 1553; assim que chegou colaborou com Manuel da Nóbrega na fundação de um colégio em Piratininga, vilarejo que daria origem a cidade de São Paulo.

 Além disso, ele escreveu cartas, sermões, poesias e peças teatrais, utilizou os idiomas: latim, Tupi e português, em suas obras onde teve uma grande influência  missionária.

 POESIA

 Anchieta utilizava em suas poesias as antigas medidas, ou seja, versos de cinco ou sete sílabas nos cancioneiros medievais. Anchieta também escreveu poemas de sentido religioso, com  versos fáceis de serem cantados em cerimônias da igreja. Na verdade eram poesias essencialmente ingênuas, com conteúdo simples, mas direto, sem muita complexidade para poder ser bem aceito e entendido na sociedade européia, pois era ela que patrocinava as expedições e viagens.

 TEATRO

 Também com a intenção de catequizar os índios, impor os conceitos europeus a eles, Anchieta foi o introdutor do teatro no Brasil. Suas peças seguiam as tradições dos teatros medievais, principalmente tendo como modelo os autos de Gil Vicente.

 Auto de São Lourenço é a  obra mais importante delas: é uma peça trilíngue , porque abrangeu três idiomas:Castelhano, Tupi, português. Também teve a dança cantada, onde o tema predominante foi a luta de São Lourenço e São Sebastião contra os demônios, que infelizmente tinham nomes tupis como Guaixará e Amberê,com isso a cultura indígena passa a ser desvalorizada, pois os heróis eram santos conhecidos e adorados pelos europeus,mas os vilões tinham origens na cultura dos nativos. O objetivo disso era supostamente adaptar a visão catequética para a realidade indígena. Mas na realidade ser for bem analisado esta adaptação de visão  serviu para transformar os índios( por acaso donos da terra) em vilões ou de inferiores aos brancos.

 A peça foi apresentada no pátio da Capela de São Lourenço, no Morro de São Lourenço, em Niterói (RJ), em 1583.

Literatura informativa no Brasil Colônia 

Pesquise:

A Carta – Pero Vaz de Caminha  
O Auto de São Lourenço – José de Anchieta  
Poema de Virgem – José de Anchieta  

About these ads

1 Response to “Literatura Informativa no Brasil.”


  1. 1 natalia
    agosto 29, 2009 às 12:27 am

    é muitu bom se emformar mais sobre a história do brasil é muito interesante!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: